Bara

AVISO: ESTA PÁGINA POSSUI CONTEÚDO NSFW IMPRÓPRIO PARA MENORES DE 18 ANOS. SE VOCÊ FOR MAIOR DE 18 ANOS E CONCORDA COM ESSES TERMOS, BASTA CLICAR NO QUADRO LOGO APÓS O TEXTO.

Essa galeria contém alguns trabalho mais adultos, inspirados no estilo BARA dos quadrinhos japoneses.

Falando um pouco sobre Bara

O termo Bara (“Rosa”), vem de uma adaptação japonesa de um termo em inglês que significa “Men’s Love” (menzu rabu) ou ML. É um termo usado para um gênero de arte e mídia de ficção que retrata o amor entre homens, normalmente criados por e para homens homossexuais. Diferente do Yaoi, que é direcionado para mulheres onde jovens belos e esguios possuem uma relação homoafetiva – em que é caracterizado por um personagem dominante (Seme) e um personagem submisso e geralmente efeminado (Uke). Apesar do Yaoi possuir conteúdo homoerótico, ele é criticado por não abordar questões homossexuais.

Já o Bara é considerado um subgênero de Seijin (erotismo dos homens) para homens gays e lembra quadrinhos para os homens (seinen) ao invés de quadrinhos para leitores do sexo feminino (shoujo / josei). As histórias normalmente apresentam homens masculinos com diferentes graus de músculo, gordura corporal e pêlos do corpo, semelhante aos ursos, geralmente apresentando histórias mais adultas (as vezes com cenas de violência ou de exploração sexual) e até mesmo romantismo, com tons mais realistas ou autobiográfico, devido à natureza do tabu da homossexualidade no Japão.

O gênero começou na década de 1960, com revistas de fetiche com arte e conteúdo homossexual. Além de mangás Bara – também chamado de Gei Comi (“Quadrinhos gays”) – e ilustrações, existe hoje em dia uma série de jogos eróticos no Japão com essa temática, assim como romances e memórias.

Agora que você já sabe o que é Bara, é só clicar logo abaixo e apreciar: