#sketchember’17 – #28 Cross Fire Parody

Hoje o Sketchember tem uma crítica, mas é por uma boa causa.

Navegando pela interwebs a procura de mais opções de MMORPG grátis para se jogar, me deparei com uma propaganda de um jogo sul-coreano de tiro em primeira pessoa chamado Cross Fire. Por não ser o tipo de jogo que gosto (Overwatch é uma exceção) não faço idéia se ele é famoso ou não…

Mas ver a propaganda do jogo teve uma coisa que me incomodou – e muito. O visual da personagem feminina.
Saca só:

A proteção dela deve ser invisível… só pode.

Não é a primeira vez que vejo esse tipo de coisa, fora em jogos de fantasia, posso citar as personagens Quiet em Metal Gear e Cammy em Street Fighter. Foi então que resolvi equilibrar as coisas na ilustração de hoje:

Agora sim… Bem melhor!

Curtiu? Dá uma olhadinha no link da página com a galeria completa do Sketchember, clicando aqui!

(Quase) #sketchember’17 – #26 Genn Greymane

A arte de Sketchember de hoje seria um fanarte de Genn Greymane, líder dos Worgens em World of Warcraft. Mas eu tava com saudades de praticar o colorido com as Copics e acabei arte-finalizando o desenho.

Segue o esboço:

Curtiu? Dá uma olhadinha no link da página com a galeria completa do Sketchember, clicando aqui!

E a arte-final:

#sketchember’17 – #24 Mago

Esse Sketchember é especial. É inspirado na arte do Dex Land, um artista supertalentoso que eu sou muito fã!

Ele criou um mago com uma braço mecânico, olha que coisa mais linda:

Clique na imagem para apreciar as outras artes do Dex!

Eu amei de paixão essa arte, tanto que pedi permissão de desenhar esse personagem que ele criou.
E segue aqui a minha versão:

Curtiu? Dá uma olhadinha no link da página com a galeria completa do Sketchember, clicando aqui!

 

Black Lives Super Matter Collab

Eu fui convidado para participar da Black Lives Super Matter, uma collab de personagens negros super poderosos que visa protagonismo negro nas histórias em quadrinhos, filmes, games e diversas mídias por meio de ilustrações, além de divulgar personagens com pouca visibilidade.

Eu acabei desenhando Mister Terrific, da DC Comics. Confira:

VocÊ pode conferir as outras artes da Collab, clicando aqui!

#sketchember’17 – #20 Bull Harley

E a arte do Sketchember de hoje tem gostinho de sessão da tarde…
Tava sem ideias do que desenhar, fui assistir Over the Top! (Falcão, o Campeão dos Campeões), filme do Stallone de 1987 em que ele interpretava um caminhoneiro que tentava se aproximar do filho e nas horas vagas participava de campeonatos de queda de braço.

Então desenhei o “vilão” do filme e rival do Sly, Bull Harley:

Curtiu? Dá uma olhadinha no link da página com a galeria completa do Sketchember, clicando aqui!

#sketchember’17 – #16 Storm

Hoje o Sketchember tem um gostinho de #drawingwhileblack, celebrando os desenhsitas negros, resolvi desenhar uma negona da porra!!

Com vocês Ororo Monroe, a Tempestade (Storm):


Me inspirei no visual dela que mais gosto, o do moicano. Fora isso, Ororo é a minha segunda negona favorita da Marvel – pois a primeira é a Monica Rambeau (que já foi Capitã Marvel, Fóton e atualmente é chamada de Pulsar), que já está na lista.

Curtiu? Dá uma olhadinha no link da página com a galeria completa do Sketchember, clicando aqui!

#sketchember’17 – #14 Disney Fantasy: Merida

Hoje resolvi fazer algo diferente no Sketchember. Fiz uma releitura de uma das minhas princesas Disney favoritas (sim, eu curto algumas): Merida, de Valente.

Convenhamos que a personagem já é RPGisticamente pronta: sua habilidade com o arco já a coloca como uma ranger de respeito. Confiram se eu não tenho razão:

Estou pensando se faço uma série com versões RPG de outras princesas, o que acham?
Curtiu? Dá uma olhadinha no link da página com a galeria completa do Sketchember, clicando aqui!

#sketchember’17 – #11 I Wanna Dance With Somebody

Resolvi falar de amor no Sketchember de hoje. Inspirado pela versão de “I Wanna Dance With Somebody” cantada por Matt Alber. Acabei pegando os rascunhos que fiz no iPad e fazendo uma animação no Adobe Animate (antigo Flash).

Confira:

E aqui o link da página com a galeria completa do Sketchember!

#sketchember’17 – #10 Fatal Fury

O sketchember de hoje tem um plus…
Senta que eu explico:

O tema de hoje seria Fatal Fury, só que o sketch ficou tão legal que eu resolvi arte-finalizar.

Segue o sketch do australiano Raiden, que também ficou conhecido como Big Bear:

E aqui a versão arte-finalizada:

 

Você pode conferir a versão maior dessa arte na galeria 2017 e você confere a galeria completa do Sketchember, clicando aqui!

#sketchember’17 – #9 Silva

Hoje o Sketchember é um redesign de um personagem antigo que criei, para uma história cyberpunk, em 2000, que nunca saiu do papel, chamada CyBR.

Resumidamente, seria uma história ambientada no Brasil onde dois jovens hackers tentariam impedir uma conspiração pela venda da Amazônia. Dentre os personagens, existia um caminhoneiro, ex-militar, com um braço ciborgue, chamado Silva, que ajudaria os dois jovens.

Aqui, um desenho dele (direto da minha galeria de trabalhos mais antigos):

Silva

Bom, segue agora a versão pro Sketchember:

E aqui o link da página com a galeria completa do Sketchember!

#sketchember’17 – #7 Eggette

A arte do Sketchember de hoje tem origem no jogo Sonic Mania, em que o usuário @blackbookalpha ao ver o chefe aranha da Flying Battery Act 2 achou que em vez de ser o Dr. Robotinik de ponta-cabeça imaginou uma garotinha, assim criando uma sobrinha chamada Eggette, mas também apelidada de Omelette:

Aqui o vídeo com a boss battle:

E aqui o concept de Eggette:

O mais legal que os fãs de Sonic amaram a Eggette, inundando de fanartes e pedidos para a Sega torná-la cânone.

E é claro que não resisti em desenhá-la:

E aqui o link da página com a galeria completa do Sketchember!

Commission – Trettanomyces

E a commission de hoje foi uma encomenda do Raoni Soares, do canal Boteco do Raoni, que encomendou uma ilustração para uma camiseta, inspirado num meme do canal:

O Raoni já encomendou uma commission com uma versão dele e da esposa Nina com o filho Arthur como sobreviventes de Zombicide (Confira aqui).


Para conferir outras commissions, é só clicar AQUI.

E se você quiser encomendar uma, é só clicar AQUI.

#sketchember’17 – #3 Tauren Caçadora

Vaka Gostosa – Tauren Hunter

No terceiro dia de Sketchember, uma homenagem a uma das minhas personagens mais antigas de World of Warcraft. A primeira dos meus personagens a derrotar Garrosh em Mist of Pandaria. Minha incrível caçadora tauren… Vaka Gostosa.

Sim, o nome é terrível e foi escolhido numa época para ser trocadilho engraçadinho e combinar com o espírito liberal dela, pois eu gosto de criar história para os meus personagens.
Eu sei, só piora. Mas escuta a histórinha. Pufavô.

Quando eu criei meu primeiro personagem, ainda no servidor Nemesis, foi um Tauren Druida cahamado Boidkraprta. Foi o único jeito de colocar “Boi da Kara Preta“. Ele tinha uma personalidade meio sisuda, mas tinha bom coração. Então a Vaka era a irmã mais nova dele, mais alegre…

E já está em meus planos mudar o nome da personagem. E como eu queria manter um tom irreverente no nome, o novo nome será Bovaleska. Vindo de Bovina com Valeska.

Mas chega de papo e vamos ao desenho:

E aqui o link da página com a galeria completa do Sketchember!

#sketchember’17 – #1 100 anos de Kirby

Resolvi participar do Sketchember, uma iniciativa semelhante ao Inktober em que passamos o mês de setembro postando sketches!

Ao contrário do último Inktober, resolvi organizar uma listinha para que eu não me perca.

E para começar, uma homenagem ao aniversário de 100 anos do mestre Jack Kirby.
Então pensei em como seria um personagem ursino criado e desenhado pelo mestre.
Surge então:

THE KODIAK!!

Aproveitando: segue aqui o link da página com a galeria completa do Sketchember!

Barrigas & Pelos – Poster 2

Sou um fã declarado da Capcom, e inspirado numa arte icônica de Super Street Fighter II fiz a última ilustração do meu sketchbook com os personagens do Barrigas & Pelos.

Aqui o desenho original e versão dele para o Ultra Street Fighter II:


Eu já havia publicado a minha versão dessa arte no meu Instagram:

E agora segue a versão final, trabalhada (que você pode conferir na galeria dos meus trabalhos de 2017):

 

 

Beratlus

A ilustração de hoje é mais uma contribuição para a mitologia do Barrigas & Pelos.
Eu vou aproveitar e agradecer ao meu amigo Walder pela ajuda no texto!

“Antes do primeiro brilho da primeira estrela, Noun deu origem aos sete primeiros deuses e deu a cada um a tarefa da criação de tudo o que existe. Orgulhosos de seus próprios poderes e almejando entregar o trabalho mais perfeito e impressionante, as crias de Noun travaram uma disputa entre si pelo reconhecimento do pai. Porém, Beratlus e Kumaisan, que desde o nascimento se afeiçoaram um com o outro, decidiram se unir e pediram permissão a Noun para executar apenas uma tarefa. Noum abençoou o amor dos dois deuses e repousou.

Malafey, o primeiro nascido, responsável pela criação do caos, intrigado com a decisão dos irmãos, procurou Beratlus e Kumaisan e descobriu que estavam criando um mundo, símbolo da paixão que nutriam um pelo outro. Movido pela inveja e incompreensão deste amor, Malafey abandonou seu projeto e se dedicou a envenenar os pensamentos de Beratlus para que ele acreditasse que Kumaisan não retribuía o seu sentimento verdadeiramente e que quando terminassem a tarefa, ele iria trair Beratlus, levando Artus, o sétimo nascido e melhor amigo de Kumaisan, para viverem eternamente no mundo que criaram.

Cego pelos pensamentos sombrios de Malafey, Beratlus travou uma luta com Artus, o que culminou na destruição do trabalho dos outros deuses. Apesar de serem os filhos mais novos, Artur era o mais forte e impetuoso de todos e Beratlus o mais habilidoso e sábio e nenhum dos outros deuses conseguiram impedi-los. Kumaisan, vendo a violência de seu amado, resolveu acalmá-lo colocando-se entre os Beratlus e Artus. Ainda envolvido em sua fúria, Beratlus só percebeu a presença de Kumaisan quando sua mão estava atravessada em seu peito. Ao ver o que tinha feito, seus pensamentos foram libertos da influência de Malafey, porém, tarde demais. Em seu último momento, Kumaisan pediu para que Beratlus concluísse a tarefa e fosse o guardião do mundo que se chamaria Bera. Beratlus então pegou o coração de seu amado e criou o nosso mundo depositando o coração de Kumaisan no centro do mundo, mantendo-o de pé com as próprias mãos.”

E segue a ilustração:

A queda…

…uma quase fanfic de Overwatch

Antes de mais nada, vejam esse curta:

Quando vi pela primeira vez esse vídeo sobre a origem de Doomfist, novo personagem de Overwatch, fiquei pensando o porque dos membros da Overwatch o atacarem tão ferozmente.

Então, imaginei uma hq que se passa antes do vídeo, em que Doomfist e sua trupe tivessem armado uma cilada, deixando um importante membro do grupo a beira da morte. Mas, eu acabei desenhando apenas uma ilustração:

Clique na imagem para ampliar esta e outras artes

Sim, a vítima seria Torbjörn. Ao meu ver seria uma perda considerável, já que seu conhecimento é um precioso recurso ao grupo. Ele não chegaria a morrer, mas estaria fora de ação por um bom tempo.

E então, o que acharam?

Hodor, o Caminhante Branco

Embora não acompanhe a Série com regularidade, eu fui daqueles que ficaram penalizados com a morte do Hodor, na sexta temporada de Game of Thrones. Desde então sempre quis desenhar a cena dele segurando a porta, mas nunca me sentia pronto.

Então resolvi fazer algo diferente, em vez de reforçar o momento da morte dele, resolvi bancar o escritor de fanfic e desenhá-lo como um Caminhante Branco.

Sem mais delongas:

Para ver em tamanho maior e conferir essa e outras artes é só clicar na imagem ou aqui.

O Monge furioso e o braço amaldiçoado

A arte de hoje é influenciada pelo meu projeto de RPG LGBTI, o Barrigas & Pelos, inspirado na cultura ursina.

Desde que comecei o projeto do Barrigas & Pelos, uma das idéias para uma vantagem/desvantagem pro sistema era a do personagem – geralmente um personagem de dano direto ou tanque – em que ele possuisse um braço amaldiçoado, devido a um pacto com uma entidade, provavelmente com um deus-urso guerreiro.

A vantagem desse “braço demoníaco” era que o personagem rolaria podia entrar num estado de fúria ganhando trocentos  bonus em combate, mediante um rolamento de ativação. Porém havia o risco dele perder o controle e tornar-se uma máquina de matar ambidestra. Como desvantagem, ele perderia a mobilidade do braço, quando desativado.

Então a arte de hoje seria de um personagem – um monge, lógico – que possuí esse braço, entrando em estado de fúria.

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior

Você confere todo o material do Barrigas & Pelos no Bear Nerd.

ORGULHO

Hoje, dia 28 de junho, se comemora o Dia do Orgulho LGBT.

Meu amigo e irmão James Figueiredo escreveu um post muito bacana a respeito, lá no Bear Nerd, que eu tive o orgulho de fazer uma ilustração para representar essa data de luta e conquistas, inspirada na icônica capa do número 1 da Liga da Justiça Internacional, feita pelo mestre Kevin Maguire:

 

Barrigas & Pelos – Poster

Desde que comecei o projeto Barrigas & Pelos – uma ambientação/sistema de RPG inspirado na cultura do grupo gay conhecido como Ursos, planejava fazer um poster com os personagens apresentados nas raças e classes.

E também queria experimentar fazer uma ilustração de página dupla no meu sketchbook, inspirado no trabalho de um desenhista que admiro muito, George Pérez – o mestre em desenhar multidões.

Segue abaixo o processo de criação:

O resultado ficou assim:

E, só por curiosidade, segue uma versão explicando a classe de cada personagem:

Se quiserem conhecer mais sobre a ambientação e o sistema, podem acessar o link do projeto, no Bear Nerd (clicando aqui).

Desenhando no iPad

Senta que lá vem história… Ou A origem de tudo: uma ‘Cintiq’ mais acessível.

Desde a primeira vez que vi o lançamento do iPad, em 2010, eu só pensava em ter um para pdoer usar como uma prancheta de desenho. Como eu tenho uma dificuldade muito grande de usar uma tablet normal da Wacom para desenho (pois nunca me acostumei com a mão desenhar de um lado e eu ter que olhar para o monitor) e as Cintiqs tinham tem um preço um pouco salgado, o novo brinquedinho da Apple parecia ser a solução ideal.

Eu adquiri meu priemiro iPad, um modelo da primeira geração, no dia que a Apple lançava a segunda, já com algumas melhorias. Nessa época já existiam alguns aplicativos interssantes para se desenhar. Mas haviam dois problemas: as limitações dos aplicativos da época (mesmo os pagos, pareciam uma Paint de segunda) e a ausência de uma caneta stylus.

Na época um aplicativo que se destacou foi o Sketchbook Pro, criado pela Autodesk. Apesar dele parecer um pouco ‘engessado’ no iPad, oferecia a maioria das funcionalidades que a versão de desktop tinha. Até surgir um app gratuito de desenho criado pela Savage Intective que revolucionaria a maneira de desenhar no iPad: Procreate. Já de inicio oferecia diversas ferramentas e recursos que o Sketchbook Pro não tinha, como poder girar a tela e diversos pincéis já na versão gratuíta e mais algusn pacotes de pincéis pagos (o que era um ótimo investimento). Até hoje o Procreate é o meu app favorito de desenho.

Soluções com Stylus

Nessa época já haviam algumas stylus mas foi a Wacom que criou uma realmente eficiente, a Bamboo Stylus. Sua ponta era um pouco menor do que as concorrentes permitindo um amior controle sobre o desenho. Os únicos problemas eram que a borracha da ponta que gastava e a ausência do “peso” no traço, dificultando na hora de dar volume ao desenho.

Mas em 2013 a Wacom lançaria a Intuos Creative Stylus, uma bersão turbinada da Bamboo Stylus, com bluetooth e sensor que finalmente detectava o peso do traço. O interessante que, apesar de usar uma pilha AAAA (isso mesmo, menor que a palito), a caneta continuava leve com uma ótima ergonomia de uso.

Mesmo assim, o maior problema da canetas para iPad ainda eram a sua ponta grossa, dificultando um pouco a precisão em desenhos mais detalhados. Até que em 2014…

Surge a Intuos Creative Stylus 2…

Nessa nova versão a novidade era uma ponta fina, semelhante às outras tablets da empresa, além de ser leve, recarregável via usb (com um ótimo rendimento de carga) e o melhor de tudo: totalmente compatível com o Procreate (que nessa época tinha trocentas outras melhorias).

Curiosamente, minha primeira experiência com o ICS 2 foi um pouco decepcionante, uma parte por estar aconstumado com o traço grosso das Bamboo Stylus e os pincéis do Procreate exigirem uma reconfiguração maior para melhor eficiência. Resultado: deixei meu brinquedinho precioso (e caro) de lado.

E chegamos a conclusão: iPad Pro

Pois é. Em 2015 a Apple lança uma versão parruda do iPad, pensada justamente em artistas gráficos. E com a sua própria caneta, a – phodástica- Apple Pencil. Eu testei um numa loja e te digo: é um puta investimento que vale cada centavo.

Vamos ao desenho?

Mas não estou aqui só para falar sobre as vantagens e desvantagems do iPad e sim comentar sobre a minha redescoberta da Intuos Creative Stylus 2. A ilustração de hoje foi rabiscada com ela e devo dizer que dessa vez foi uma sensação muito agradável. Os traços fluíram perfeitamente, me deixando bastante satisfeito com o resultado…

E como todo desenho que faço, claro que esse tem histórinha…

Tudo começou quando eu passeava pela internet procurando referências para o Barrigas & Pelos e vi o trabalho de um desenhista chamado ロイヤル羊 (Roiyaru Hitsuji) – pelo menos acho que é esse o nome dele. Na sua galeria de trabalhos, duas me chamaram a atenção: um velho  guerreiro, que empunhava uma espadona a la Cloud de Final Fantasy VII e outra desse mesmo guerreiro imobilizado, seminu, mas amarrado na espada. Confira abaixo:

CONTEÚDO NSFW! CUIDADO AO ABRIR!!!

Clique aqui para ver!

Sabe aquela sensação de “eu queria ter tido essa idéia”? Aconteceu comigo com o desenho do guerreiro imobilizado. Então eu fui e resolvi fazer a minha versão. Na concepção, pensei num plot de aventura como um deus caído está preso numa caverna há eras e só os jogadores podem tentar libertá-lo. Só que na minha versão eu desenhei o personagem nú.

(ué, se em Tormenta podia ter uma estátua gigantesca de uma deusa quase nua, porque o meu deus não pode estar pelado?). O resultado vocês conferem logo abaixo, com e sem censura:

AVISANDO DE NOVO: CONTEÚDO NSFW! CUIDADO AO ABRIR!!!

Versão COM censura

Versão SEM censura (NSFW)

Então, o que acharam? Eu gostei bastante do resultado final…

E é isso. A versão NSFW será visível apenas por aqui, pessoas.
Até a próxima!

 

Um rabisco de almoço…

Uma das minhas terapias de relaxamento é sempre fazer um rabisco num sketchbook que levo na mochila. Nada tão elaborado quanto o meu outro sketchbook, mas serve como um laboratório de ideias.

Então que ontem eu rabisquei um urso lutador, nos moldes do traço mais “fofinho” que ando fazendo:

E à noite, resolvi fazer um desenho no outro sketchbook, para por os pensamentos em ordem e fiz outra arte do mesmo personagem, que apelidei de Orso:

Mas não resisti e tirei uma foto do desenho, e no com a ajuda da deusa Adobe, trabalhei a imagem e a vetorizei, importando-a pro iPad onde eu a colori no Procreate. Resultado:

Desafersus – Humano, Ciborgue, Meio-Dragão, Bárbaro, Samurai, Mafioso

Eu resolvi começar uma série de desafios e exercícios de imaginação, no qual eu havia chamado de “Desafio Versus”, mas devido a um erro de digitação ao escrever esse post virou “Desafersus” (Confesso, eu gostei!). Consistia de eu previamente esboçar dois personagens genéricos brigando e eu usaria a opinião do pessoal no Facebook com sugestões pré-definidas para finalizá-lo. Continuar lendo Desafersus – Humano, Ciborgue, Meio-Dragão, Bárbaro, Samurai, Mafioso

Fury of Rage “poster”

Pra quem não sabe, uma hq minha foi selecionada para participar do quinto volume do Imaginário em Quadrinhos, da Editora Draco. Eu já mostrei na galeria de 2017 um dos personagens da história, Johnny Love e no meu Instagram eu postei os esboços do segundo personagem, Jack Justice.

Continuar lendo Fury of Rage “poster”

#meettheartist 2017

Em 2015, eu participei do #meettheartist, uma tag do Instagram onde postávamos um desenho nosso falando das coisas que gostávamos e das que não gostávamos.

O meu post na época foi esse:

#meettheartist @bym um pouco mais sobre mim #conhecaoartista #desenho #bym #manias #ipad #procreate

Uma foto publicada por Marco ByM Veloso (@bym) em

Agora em 2017, com a volta da moda de se fazer o #meettheartist, desta vez mostrando também as coisas que levamos na mochila, resolvi entrar de novo na brincadeira:

Uma das coisas que eu fiz foi não ver a versão anterior, justamente para não me influenciar. Algumas coisas eu esqueci de colocar, outras acrescentei. O legal é ver a diferença de estilo. Em 2017 eu me desenhe mais sério (seria efeito da barba grisalha? rsrsr).

pra acompanhar a postagem do #meettheartist de 2017, é só clicar aqui.

Poderoso Lion Man

Uma Dádiva dos Ninjas!

Fuun Lion-Maru (風雲ライオン丸, Fūun Raionmaru?), ou Poderoso Lion Man (como é conhecido no Brasil), é um Tokusatsu (seriado japonês), do gênero Henshin Hero Ação e Aventura, que estreou no Japão em 14 de abril de 1973 á 29 de setembro de 1973, onde foi exibido semanalmente às 19:00hs.

No Brasil, passava nas tardes de segunda a sexta, na extinta Rede Manchete.

O seriado passava na época do Japão feudal, contando a história de Dan Shimaru, um samurai de 21 anos que, após ter o irmão Dan Cage Noshin morto um monstro humano aliado da inescrupulosa família Mantor do Diabo, parte para a batalha movido por um desejo misto de vingança e justiça.

Se você não faz ideia do que estou falando, segue um trailer:

O ruimvilhoso de tudo era que apesar dele ser um samurai, era uma dádiva dos ninjas(!). E a fala na hora da transformação:

Durante a transfiguração o foguete preso em suas costas carregado com um tipo raro de polvora se transfere com energia elétrica proveniente da espada e em pleno ar se transforma em Lion Man, uma Dádiva dos Ninjas!

No fundo, Lion Man era uma boa ideia na época errada

A produção precária do seriado (mesmo pra época) e a cara de bichinho de pelúcia do herói garantiu o fracasso da série, que teve apenas 25 episódios. Em 2006 foi lançada uma versão chamada Lion Man G, inspirada na original, mas nos dias atuais, que também não fez sucesso.

Eu adoraria ver um reboot da série, com os efeitos e maquiagem de hoje em dia ia ser um sucesso!

Pensando nisso, fiz um redesign do personagem:

 

Mais um Natal, mais um desenho do Klaus

É meio que uma tradição pessoal desenhar a minha versão barbarian do bom velhinho, apelidada por mim de Klaus. E em 2016 não seria diferente. Só que esse ano eu me inspirei no Barrigas & Pelos e fiz algo meio barbarian-monk:

mais-um-natal-mais-um-desenho-do-klaus

E aqui, uma galeria com os ‘Klaus’ anteriores:

A arte desse ano foi feita no iPAd, usando o app Procreate.

Desafiando a Gravidade…

…E saindo (um pouco) da Zona de Conforto.

Conversando com o meu amigo James, constatei que nesse ano meus trabalhos se resumiram a caras grandes, barbudos, com cara de mau.

Claro que houve exceções, como o Barrigas & Pelos, mas na maioria das artes depois do meu aniversário não saíram muito desse esquema que citei anteriormente.

É legal? Sim e não. Eu adoro desenhar caras grandes, barbudos em trajes medievais com cara de mau. A Constituição me garante esse direito. Mas isso me limita muito.

Então decidi sair do quentinho da Zona de Conforto e tentar coisas diferentes. E havia decidido que minha próxima arte seria uma personagem feminina.

Passei um dia pensando. Até que pensei em alguém que me fez rir, me fez chorar…
Me fez pensar que vale a pena Desafiar a Gravidade…

desafiando-a-gravidade
E ouçam bem, a minha voz… O Mágico e toda OZ… Agora vão me ver voar!

Ela mesma Elphaba, a Bruxa Má do Oeste do musical Wicked, que consegui assistir graças ao meu amigo Hique (sou eternamente grato, viu?).

E é isso. Vou procurar maiores desafios e variar um pouco o tema das minhas artes.

Bruxo

Ainda no clima do Dia das Bruxas, produzi mais uma live e uma ilustração, confiram:

A única coisa chata foi da Live ter caído algumas vezes, mas depois da terceira tentativa consegui finalizar o desenho:

bruxo
“E quem disse que eu preciso de vocês vivos?”

Minha ideia foi fazer um bruxo mais contemporâneo, com um ar quase vitoriano. Mas ainda preso a velhas tradições, como evocar lâminas de energia para fatiar seus inimigos…

Como sempre, fazendo a festa com Copics, Finecolours e Sinoarts.